Pets na praia: Um passeio inofensivo, mas que exige cuidados

As altas temperaturas durante o verão aumentam a procura das pessoas por praias. Nesse período, é muito comum ver os responsáveis por pets levando os bichinhos para passear nas areias. Por isso, o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio de Janeiro (CRMV-RJ) dá dicas de como cuidar da saúde dos animais nesse passeio que pode parecer inofensivo, mas pode acarretar problemas de saúde nos mesmos caso não sejam tomados os devidos cuidados.

Além disso, é preciso se atentar se o município que irá levar os pets permite a permanência de animais. Na cidade do Rio de Janeiro, por exemplo, a Lei nº 6.642/2019 fiscaliza e permite a circulação e a permanência de cães nas areias, desde que tenham sido vacinados e não sejam portadores de zoonoses; o responsável pelo animal deverá portar certificado de vacinação, ou cópia física ou digital, que contenha etiqueta semestral de vermifugação; uso de coleira é obrigatório; e o condutor é o responsável pelo recolhimento dos dejetos do seu animal. Já em Cabo Frio, na Região dos Lagos, o trânsito e permanência de animais nas praias do município é proibido, conforme estabelecido na Lei Estadual nº 4808/2009 e no Decreto Municipal Nº1562/2001.

A médica-veterinária Rafaela Porto de Oliveira Tripolli (CRMV-RJ 12820), que atua com clínica de pequenos animais, explicou que os responsáveis devem ter cuidados principais com a temperatura.

“Cães podem sofrer hipertermia (aumento da temperatura) ou queimaduras nos coxins (partes posteriores das patinhas). Mantenha sempre um local com sombra para o descanso do animal. Outro cuidado importante está na observação de não ingerir algo diferente na areia ou beber a água do mar. Além disso, porte sempre saquinhos para retirar os dejetos da areia. A ingestão hídrica também deve ser intensa, sempre oferecendo água com temperaturas agradáveis para conforto e bem-estar do cão. Protetor solar adequado para seu cão também deve ser aplicado e prescrito pelo seu médico-veterinário”, declarou.

A profissional ainda esclarece que o único risco para os banhistas/visitantes de cães frequentarem as praias está no contágio de verminoses através de fezes que podem permanecer nas areias.

“Por isso, a retirada das mesmas pelo responsável pelo animal se torna de extrema importância”, finalizou.

Rafaela Porto de Oliveira Tripolli

Rafaela Porto de Oliveira Tripolli

Rafaela Porto de Oliveira Tripolli (CRMV-RJ 12820) é formada na UNESA (2014), possui pós-graduação em Clínica Médica de Pequenos Animais pelo Qualittas (2019) e trabalha com clínica médica de pequenos animais.

Scroll to Top