Conheça os sintomas e formas de prevenção da febre maculosa

febre maculosa

Um cabo da Polícia Militar morreu no último domingo (24), com suspeita de febre maculosa, após participar do Curso de Operações de Polícia de Choque (COPC) no Rio de Janeiro. Na última sexta-feira, um sargento também morreu com suspeita da doença. Você sabe o que é essa doença e como ela é transmitida?

Segundo a médica-veterinária com ênfase em hematologia clínica e conselheira do CRMV-RJ, Flávia Fernandes de Mendonça Uchôa, a febre maculosa é uma zoonose, doença transmitida a partir do animal para o homem, causada por uma bactéria do gênero Rickettsia e transmitida pela picada de um carrapato infectado. Amblyoma sculptum (carrapato estrela), Amblyoma aureolatum (carrapato amarelo do cão) e Rhipicephalus sanguineus (carrapato marrom do cão, oportunista) podem transmitir a doença. Se não tratada adequadamente, a doença pode evoluir para quadros graves e levar a pessoa à morte. Por isso, é muito importante que as pessoas tomem alguns cuidados quando estiverem no meio rural.

“Em relação aos seres humanos, devemos tomar precauções para evitar as picadas. Devem ser utilizadas roupas de manga comprida, meias, botas e substâncias repelentes seguras. Ao caminhar na mata, permanecer no centro das trilhas, evitando o contato com a vegetação rasteira. Ao chegar em casa, a roupa deve ser prontamente retirada e investigada. É indicado tomar um banho o mais rapidamente possível e examinar as áreas do corpo com maior potencial de infestação (axilas, orelhas, virilha, parte de trás dos joelhos, umbigo, barriga e ao redor do cabelo. Se forem encontrados carrapatos, estes devem ser removidos imediatamente com uma pinça e colocados em álcool antes de serem descartados”, disse.

Uchôa ainda acrescentou que, no que se refere aos cães, devemos utilizar os métodos de prevenção contra carrapatos indicados pelo veterinário, principalmente quando os levamos à passeios em áreas de mata. Recomenda-se inspecionar os animais ao chegar em casa e remover os parasitas encontrados o quanto antes.

O diagnóstico é realizado através de exames de sangue, estão disponíveis métodos sorológicos e moleculares (PCR). No entanto, os resultados podem demorar alguns dias.

“Apesar de tratável, a febre maculosa é uma doença grave e que leva à morte (sua letalidade pode chegar a 70%, justamente pela demora em realizar o diagnóstico e o tratamento). Por isso é importante informar ao médico sobre a picada recente de carrapato, para que ele possa avaliar se há necessidade de se iniciar o tratamento mesmo antes dos resultados estarem disponíveis”, emendou a profissional.

As manifestações da doença normalmente ocorrem de 1 a 2 semanas após a infecção. Logo, se você foi picado por um carrapato deve observar a ocorrência dos seguintes sintomas: febre, rash cutâneo (manchas avermelhadas na pele), dor de cabeça, náuseas, vômitos, dor no estômago, dor muscular. Neste caso, procure um hospital rapidamente e informe que foi picado por carrapatos recentemente, para que o tratamento seja iniciado de forma imediata.

Flávia Fernandes de Mendonça Uchôa

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal Fluminense, especialização em Microbiologia e Parasitologia Aplicadas pela Universidade Federal Fluminense, Mestrado em Microbiologia e Parasitologia Aplicadas pela Universidade Federal Fluminense e Doutorado em Medicina Veterinária (Clínica e Reprodução Animal) pela Universidade Federal Fluminense. Atualmente é Responsável Técnica e proprietária do Laboratório Clínico Veterinário Flávia Uchôa. Tem experiência na área de Medicina Veterinária, com ênfase em diagnóstico laboratorial, atuando principalmente nos seguintes temas: Patologia Clínica Veterinária, Hematologia, Parasitologia, Diagnóstico molecular e Imunodiagnóstico.

Scroll to Top