Patologista veterinário é o profissional habilitado e capaz de monitorar e garantir a qualidade dos exames laboratoriais. Valorize-o!

Na medicina veterinária, existem duas maneiras de realizar exames laboratoriais e de rotina. Você conhece a diferença entre elas? Para responder essa pergunta, o CRMV-RJ entrevistou a médica-veterinária com ênfase em hematologia clínica e conselheira do CRMV-RJ, Flávia Fernandes de Mendonça Uchôa.

A principal diferença entre elas, segundo Uchôa, é que em uma os resultados são emitidos e liberados de forma totalmente automatizada através de equipamentos, sem qualquer conferência. Na outra, o processo é acompanhado, conferido e complementado por um patologista clínico veterinário de forma humanizada.

“A máquina é um importante aliado, mas sua utilização deve ser feita por profissional habilitado. Ela nos fornece contagens de células de forma rápida e com baixo custo, mas o hemograma vai muito além de um simples “maquinograma”. A “cereja do bolo” deste exame, que é o mais solicitado pelos clínicos veterinários e, muitas vezes, determina a conduta desses profissionais durante uma pesquisa diagnóstica, é justamente a avaliação da lâmina ao microscópio. É nesse momento que se torna possível conferir as contagens fornecidas pelo aparelho e identificar alterações morfológicas em células, a presença de agentes infecciosos e muito mais”, explicou a profissional.

É por esse motivo que esses exames necessitam da supervisão do patologista para que possam de fato identificar alterações e doenças. A falta desse profissional pode resultar na liberação de laudos incompletos, errôneos ou duvidosos. O patologista clínico veterinário é o profissional mais capacitado para monitorar e garantir a qualidade dos resultados.

“Vale lembrar que patologista clínico é o profissional capacitado a atestar a segurança de todas as etapas da avaliação laboratorial, da coleta à interpretação dos laudos de exames. É ele quem vai garantir a qualidade da amostra a ser testada, o que interfere diretamente nos resultados das análises. Tenha o seu patologista de estimação”, finalizou Uchôa.

Tutor, faça o seu papel. Pergunte ao médico-veterinário como e por quem os exames serão realizados. Só assim, saberá por qual serviço estará pagando.

Flávia Fernandes de Mendonça Uchôa

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal Fluminense, especialização em Microbiologia e Parasitologia Aplicadas pela Universidade Federal Fluminense, Mestrado em Microbiologia e Parasitologia Aplicadas pela Universidade Federal Fluminense e Doutorado em Medicina Veterinária (Clínica e Reprodução Animal) pela Universidade Federal Fluminense. Atualmente é Responsável Técnica e proprietária do Laboratório Clínico Veterinário Flávia Uchôa. Tem experiência na área de Medicina Veterinária, com ênfase em diagnóstico laboratorial, atuando principalmente nos seguintes temas: Patologia Clínica Veterinária, Hematologia, Parasitologia, Diagnóstico molecular e Imunodiagnóstico.

Scroll to Top