Dia das Mães – Entrevista completa com Rafaela Luns

Rafaela Luns, que é mãe do João Pedro, de 2 anos, dos gatos José, Itamar e Odete e dos cachorros Diana, Atila e Bolinha; e também gestora da equipe de fiscalização do CRMV-MG composta de 14 pessoas, sendo dois estagiários – Maria Julia e João Pedro, tratados como filhos – contou como foi ser promovida a chefe de setor assim que voltou da licença maternidade.

Confira:

  • Ser mãe e profissional realizada. É possível?
  • Sim, é possível. Mas é preciso admitir que não é fácil conciliar maternidade e carreira. Ao mesmo tempo que existem incentivos à profissionalização da mulher e investimento na carreira, permanece também a expectativa da dedicação total a maternidade. Ouvimos muito relatos de mulheres que foram desligadas assim que descobriram a gestação ou quando regressaram da licença maternidade. Outras tiveram interrupção na trajetória de suas carreiras depois da gravidez. O ponto chave da realização na maternidade e na profissão é tentar encontrar um equilíbrio, estabelecendo limites, pois sim, é preciso abdicar do tempo integral da dedicação na carreira ou na maternidade para exercer os dois papeis, lógico. Sucesso não é perfeição e as dificuldades da maternidade e da carreira devem ser vistas com tranquilidade, sem sofrimento. A realização está em conseguir ser presente e feliz em cada papel. Quando com meu filho, estou ali como uma mãe presente e quando no meu trabalho sou uma médica-veterinária dedicada. Me sinto grata com o consigo realizar e valorizo o meu próprio desempenho.
  • Sendo mãe, você acha que pôde tornar-se uma profissional melhor?

No meu caso, sim. Fui promovida a chefe de setor assim que voltei da licença maternidade. Então, como profissional, precisei desenvolver muito mais o meu planejamento e priorização de tarefas críticas. Também me desenvolvi no trabalho em equipe e na capacidade de delegar. Ao final do expediente eu não podia me atrasar muito porque tinha um bebê de sete meses me esperando, não podia desmarcar compromissos e remanejar toda a agenda com tanta facilidade porque o planejamento não envolvia mais apenas eu, mas meu filho pequeno, e consequentemente, precisei me tornar cada vez mais produtiva e organizada, gerando melhores resultados. Por outro lado, com a maternidade agucei minha empatia, diminui minha preocupação com o perfeccionismo e desenvolvi um senso de responsabilidade e amor pelo próximo a um nível que eu não sabia que existiam em mim

  • Ser mãe e profissional na pandemia foi muito desafiador?

Sim, muito desafiador. Os dados da ONU e do IBGE já demonstraram que as mulheres mães foram as mais penalizadas na área profissional durante a pandemia. As mulheres atuais, em sua maioria, já se encontravam sem um modelo de maternidade e carreira consolidado nas gerações passadas. A maioria das nossas avós e mães não trabalharam fora e cuidavam dos filhos. Estamos tendo que buscar novas formas de lidar com os problemas modernos, que são distintos daqueles que eram comuns às mulheres das gerações anteriores. O cenário sem precedentes da pandemia e do isolamento social que forçou o regime de home office, fechou as creches e escolas e restringiu o convívio das crianças e adolescentes, potencializou e evidenciou, ainda mais, as dificuldades que a combinação carreira e maternidade podem apresentar. As mães precisaram se dedicar ao trabalho e aos filhos ao mesmo tempo, e isso desestabilizou o equilíbrio possível pelo limite necessário entre os dois papeis. Muitas mães tiveram que deixar os seus empregos porque não tinham quem ajudasse a cuidar dos filhos. Sei que represento uma minoria, pois contei com uma rede de apoio familiar, essenciais para manter as atividades, mas mesmo assim o cansaço mental e físico imposto pela pandemia são desafiadores. Já participei de reuniões virtuais com meu filho no colo ou tive que interromper porque ele chorou ou pediu atenção. Respondi e-mails e escrevi pareceres com as mãozinhas dele tentando digitar no teclado. Trabalhei antes dele acordar e depois dele dormir. Mas, no meu caso, dentre tantas dificuldades e aprendizados que acontecem todos os dias, os desafios reforçaram a minha confiança no meu potencial e a capacidade de otimização do tempo, com a certeza de que sou realizada e feliz exercendo a maternidade e a carreira dentro dos meus limites.

Scroll to Top