Você conhece a a importância de manter as normas de biossegurança nas clínicas e hospitais veterinários?

Você conhece a a importância de manter as normas de biossegurança nas clínicas e hospitais veterinários? Recentemente, o artigo “Zoonoses and Public Health“, publicado em agosto de 2021, trouxe dados sobre as superfícies onde a contaminação por estafilococos é mais prevalente nesses ambientes. Os estafilococos são um tipo de bactéria que podem habitar a pele e as mucosas, sendo que Staphylococcus pseudintermedius (SP) e Staphylococcus aureus (SA) atuam como importantes patógenos para animais e pessoas, respectivamente.

Nesse novo estudo piloto, o objetivo era determinar a prevalência ambiental de Staphylococcus coagulase positiva (SCP) em um hospital veterinário e, assim, avaliar a relação entre contaminação e fatores ambientais e clínicos (número de casos, listas de verificação de limpeza e número de pessoal) que influenciam sua presença.

Da mesma forma, o estudo avaliou o cumprimento dos protocolos de limpeza e desinfecção. Nesse sentido, o cumprimento da limpeza e desinfecção, com base em checklists preenchidos pela equipe, foi revisado durante os três turnos imediatamente anteriores à amostragem.

Ao longo de 18 meses , 351 amostras ambientais foram coletadas em cinco momentos de amostragem (a amostragem foi feita antes da abertura do hospital e a cada 3 a 6 meses depois). A contaminação geral com CPS foi de 30,8% (108/351), com SA (16,8%) e com SP (13,1%) identificados nas superfícies contaminadas. Em geral, cepas resistentes à meticilina (MRSA e MRSP) foram detectadas com pouca frequência.

A prevalência pontual de contaminação por CPS manteve-se relativamente estável durante o período do estudo (22,5% -28,4%), com exceção de um aumento na quarta amostragem (52,9%).

A conformidade com a limpeza variou durante o período do estudo (57,9% -100%); a limpeza mais baixa relatada coincidiu com a maior proporção de contaminação CPS.

As superfícies mais contaminadas foram cadeiras (46,7%), mesas de exame (40,4%) e computadores (34,3%), itens que raramente eram incluídos nas listas de limpeza.

As áreas não incluídas no checklist tiveram 2,3 vezes mais chance de serem contaminadas pelo CPS. MRSA e MRSP raramente foram isolados do ambiente no hospital recém-inaugurado, indicando que pode levar algum tempo para que as cepas resistentes atinjam o ambiente e persistam nas superfícies.

“Este estudo destaca a utilidade das listas de verificação de limpeza para orientar as práticas de limpeza e reduzir a contaminação ambiental em clínicas veterinárias”, observam os pesquisadores no estudo.

Scroll to Top